6 de agosto de 2020

50 tons de azul

Quando menos se espera, a cidade já está fervendo, as coreografias bombando e o sol tinindo. Tantos verbos no gerúndio são para anunciar que se aproxima o tão esperado verão, estação mais quente do ano e que melhor representa a cidade de Salvador.

Viver o verão na capital baiana é sem dúvida uma experiência multisensorial. Nossos ouvidos são visitados pelas músicas de carnaval e sotaques estrangeiros que se misturam na cosmopolita Salvador; seguindo a tendência da estação, nossa pele naturalmente escurece com o calor do sol.

Mais forte do que nas outras épocas, o tão característico cheiro de dendê invade nossas narinas e nos convida a degustar um acarajé; e nossos olhos são inundados pela infinidade de azuis que a época proporciona.

O soteropolitano tem a felicidade de morar no maior litoral do país, além disso, nossa localização no globo privilegia a incidência de raios solares. O resultado dessa junção de fatores é uma instalação artística de rara beleza, aberta ao público e única para cada olhar.

Ao olhar o horizonte – preferencialmente da areia da praia e nos horários de maré seca – é possível enxergar tantos azuis literalmente entre o céu e o mar que chega a ser impossível contar todos os tons.

Do singelo azul celeste ao cheio de personalidade azul marinho, nos deparamos com pigmentações que colorem bem o espaço, preenchem nossos olhos e mentes, nos fazendo lembrar o quão bela é esta cidade e quão vibrante é o verão.