22 de outubro de 2020

De olho no prato

Recentemente o bairro de Itapuã ganhou visibilidade da mídia por conta do ocorrido na churrascaria e pizzaria Galego, onde uma pessoa foi vítima fatal de intoxicação alimentar e outras 167 foram contaminadas após comerem no estabelecimento. O episódio ocorrido ressalta a importância da segurança alimentar no nosso dia a dia. Afinal de contas, um alimento impróprio para consumo pode se tornar um grave problema de saúde pública e trazer – como aconteceu – danos irreparáveis.

E este não foi o primeiro caso envolvendo alimentos contaminados e vítimas fatais. Só este ano tivemos uma série de casos por todo o País, como por exemplo, o acontecido na cidade de Batatais, no interior de São Paulo, onde uma pessoa morreu e outras cinqüenta passaram mal após consumirem maionese em um estabelecimento comercial; além de das muitas notificações, inclusive, em grandes redes e franquias de restaurantes e lanchonetes mundialmente conhecidas.

Ou seja, esse é um problema que não escolhe bairro, região ou classe social. Contudo, está intimamente ligado às condições de higiene do estabelecimento e dos cuidados com a manipulação dos alimentos.

Existem órgãos responsáveis pela fiscalização das condições de higiene e bom funcionamento dos estabelecimentos que comercializam alimentos, e esses órgãos devem ser acionados caso seja verificada alguma irregularidade. E o consumidor deve também evitar fazer as suas refeições em locais onde as condições de higiene são visivelmente ruins, assim como evitar o consumo de alimentos que contenham ovos, derivados de leite ou outro alimento de rápida deterioração em locais pouco confiáveis. Isso ajuda a minimizar o risco de problemas futuros.

Esperamos que casos como este não voltem a se repetir e que as lembranças dos almoços e jantares sejam sempre as melhores possíveis.