Vítimas recorrentes do furto de hidrômetros, moradores da rua da Ilha, em Itapuã, filmaram a ação dos bandidos retirando o equipamento da caixa de hidrômetro localizada no muro dos imóveis. Elas enviaram os vídeos para a Embasa e registraram a ocorrência da 12ª Delegacia Territorial de Itapuã. O aparelho, que mede o consumo de água nas casas e nos estabelecimentos comerciais, tem sido alvo porque tem metal em sua composição.
Desde o final de julho, os moradores denunciaram ao serviço de atendimento ao cliente da Embasa o furto de 68 hidrômetros nas localidades de Itapuã (ruas da ilha, Sérgio Carneiro, Domingos Silva, Tenente José Virgílio), Alto do Coqueirinho (rua da Graça e alameda das Roseiras) e Nova Brasília de Itapuã (rua Tenente Luiz Lopes Dornelles).
A Embasa informa que a retirada de hidrômetro por terceiros causa vazamento, desperdício de água e prejudica o abastecimento do imóvel de onde foi retirado. Como os equipamentos precisam ficar em locais visíveis para a leitura, isso acaba facilitando os furtos.
O principal atrativo para os ladrões é o material que compõe o hidrômetro, como é o caso do furto de outros equipamentos públicos como as sinaleiras. O usuário cujo imóvel tenha hidrômetro furtado deve informar à Embasa pelo telefone 0800 0555 195 para que a empresa providencie a substituição. A empresa também orienta que o usuário faça o registro da ocorrência na delegacia mais próxima para que a polícia possa realizar as devidas investigações, inibindo a prática.
A Embasa não tem um número preciso sobre casos de vandalismo, porque as retiradas de hidrômetro são registradas sem distinção do motivo que levou à reinstalação do aparelho (seja por vandalismo, por quebra do aparelho, reposição periódica para atualização do parque de hidrômetros, entre outros).
O custo do modelo mais comum de hidrômetro para a Embasa está em torno de 60 reais, além do serviço que, a depender da complexidade, pode variar entre 20 e 100 reais. O prejuízo financeiro para a Embasa, causado pelo furto de hidrômetro, inclui esse custo e o ônus da água produzida que deixa de ser faturada, porque é perdida no vazamento.

 

Fonte: Embasa