Itapuã é referência para prefeitura nos bairros

As Prefeituras-Bairro de Salvador já deverão estar em pleno funcionamento nos próximos 120 dias.

O novo modelo substitui o antigo Sistema Integrado de Atendimento Regional (Siga), mas terá um caráter mais abrangente. A proposta é que, em cada unidade regional, a população possa contar com o atendimento de todos os órgãos e secretarias, facilitando o acesso da comunidade aos serviços públicos.

Itapuã é tida como referência

Itapuã, que mesmo como Siga já disponibilizava balcões de serviços de órgãos municipais e parceiros como o Tribunal de Justiça, vem sendo usado como referência para a nova proposta.

Com sua área de atuação estendida entre a Boca do Rio e Ipitanga, passando por Bairro da Paz, Jardim das Margaridas e São Cristóvão, o subprefeito da região, Jackson Souza, disse que, com a reforma, as pessoas estarão mais próximas dos serviços e benefícios da Prefeitura do Salvador.

Hoje, além do serviço prestado pela Secretaria Municipal da Fazenda (Sefaz), Superintendência de Controle e Ordenamento do Uso do Solo do Município (Sucom), Limpurb, INSS e Tribunal de Justiça, a sede da Prefeitura-Bairro de Itapuã abriga uma biblioteca criada com doações dos próprios moradores.

Para Jackson Souza, um dos papéis mais importantes das Prefeituras-Bairro será acompanhar de perto a atuação de cada órgão municipal. “Através de um sistema a ser implantado pela Cogel, estaremos interligados às diferentes secretarias e ao gabinete do prefeito, que poderá acompanhar o andamento das obras e demandas da população em cada região da cidade”, afirmou.

Morador da Boca do Rio, o comerciário aposentado Roberto Santos costuma usar os serviços da Prefeitura-Bairro de Itapuã e espera que, com as mudanças, tudo fique ainda melhor. “Hoje trouxe minha enteada para uma conciliação na Justiça, mas estive aqui para resolver outras questões e o atendimento é muito bom. Se tiver mais serviços, melhor para todos nós”, disse.

Fonte: Tribuna da Bahia

Next Post

Gente que faz a diferença

Vivemos em uma cidade carente de equipamentos públicos, ao olharmos a nossa Orla Marítima naturalmente privilegiada notamos o tamanho desta carência. Uma região que poderia ser excelente espaço para a prática de esportes e para o convívio social – gerando inclusive renda para o município – mas, que ao cair […]