30 de novembro de 2020

Itapuã na capa dos jornais

coluna-pense-nisso

 

Infelizmente outro triste episódio pôs o bairro de Itapuã no foco da mídia. Mais um homicídio cometido de forma covarde durante a noite itapuãzeira fez chorar amigos e familiares do turista espanhol Hugo Calavia Blanco e manchou ainda mais a imagem do bairro.

Há cerca de um mês lamentávamos a morte do local Jackson dos Anjos, morto por motivo torpe em uma praça pública do bairro. Dessa vez, por motivo igualmente torpe, um turista recém-chegado teve as suas férias (e a sua vida) interrompidas enquanto curtia a noite soteropolitana.

Sei que já nos perguntamos isso antes, mas nunca é demais repetir: até quando Itapuã terá lugar cativo nas páginas policiais dos jornais? É fato que a violência do bairro não é maior do que o que esse local tem de bom, mas ela existe não pode ser varrida para debaixo do tapete.

Os atrativos do reduto de Vinícius são muitos. A música, o clima praieiro, os pontos turísticos, a culinária. No entanto, em uma sociedade movida pelas manchetes sensacionalistas, um ponto negativo em meio a uma infinidade de traços positivos é mais do que suficiente para criar o estereótipo de bairro violento e borrar toda uma imagem que levou anos para ser pintada.