Itapuã perde mestre Coringa

coringa

A comunidade de Itapuã lamenta a perda na manhã desta terça-feira de um dos grandes ícones da capoeira do bairro, Sergio Murilo Castello Branco, mais conhecido como Mestre Coringa. O capoeirista já enfrentava problemas de saúde, mas nunca deixou de lado a capoeira através do projeto Jequitibá. Ele estava internado desde o último domingo no hospital Santa Isabel, mas acabou não resistindo e faleceu nesta manhã.

O sepultamento acontecerá na quarta-feira (18) às 10h00, no cemitério Jardim da Saudade, em Brotas. Amigos do mestre pedem para que os alunos e demais amigos levem berimbau para o local, para a homenagem que será realizada.

SERGIO MURILO CASTELLO BRANCO

Nascido em 15 de julho de 1974. Filho do Mestre Oldemar conhecido como Mestre Bimbinha do Matatu, iniciou na capoeira com seu pai como brincadeira desde pequeno, em 1984 seu pai resolveu coloca-lo em uma academia de um amigo pelo fato de não estar mais ensinando, então procurou o Mestre Piauí e Mestre Itapoan, na época grupo Ginga, e o colocou para treinar.

Após 4 anos de treinamento com o Mestre Piauí a academia do matatu fechou, onde Coringa passou 2 meses em um condomínio com o  Mestre Vermelho. Devido a mudança para o bairro de Itapuã, o mestre ficou 8 meses procurando um grupo para treinar que tivesse um bom Mestre e os mesmos padrões de quando iniciou.

Participando de rodas de rua conheceu o Mestre Zé Doro quando passou a frequentar a academia dele na Associação Atlética na Barra, e lá ficou um ano. Após um treino na praia de Itapuã, conheceu o Professor Daiola, e sua academia por ser mais próxima da casa de Coringa, tornou-se mais viável. Na época o grupo era chamado de Esquiva, depois de alguns anos por motivo de crescimento o Mestre Daiola resolveu formar sua própria instituição (ASSOCIAÇÃO JEQUITIBÁ CAPOEIRA).

Confira a reportagem:

Next Post

Comunidade da Baixa da Soronha sofre com o longo atraso das obras de requalificação e drenagem

Atrasada há anos por diversos problemas nos projetos iniciais, a obra de drenagem, requalificação e reurbanização da Baixa de Soronha ainda não foram iniciadas e tem deixado os moradores do local em estado de calamidade. As intervenções são necessárias para acabar com diversos problemas que afetam os moradores. Descrição da […]