25 de outubro de 2020

Poemas homenageiam aniversário da Casa da Música e Sarau de Itapuã

No dia 02 de setembro de 2013, a Casa da Música, Espaço Cultural da SecultBA, comemorou seu vigésimo aniversário e o sexto do Sarau de Itapuã com uma programação especial. A noite de celebração contemplou diversos artistas que já se apresentaram em Saraus passados, dentre eles: As ganhadeiras de Itapuã e o cantor Tonho Matéria.

Além de bastante música, abriu-se espaço também para a poesia de Lúcio de Oliva e Aloisio Lisboa. Ambos trouxeram em seus versos marcas da história do Espaço e ressaltaram a importância que ele exerce para a promoção cultural e o intenso diálogo estabelecido com a comunidade na qual ele está inserido, confira:

Casa da Música de Itapuã

Por Lúcio de Oliva

 Quem frequenta a Casa da Música

está sempre bem acompanhado

tem uma plateia distinta

e artista pra todo o lado

Lá você só encontra

coisa boa de se  ver

gente querendo ensinar

gente querendo aprender

Se você gosta de arte

ou é apreciador de cultura

você pode tomar parte

sem temer qualquer agrura

E se gostar peça bis

pois foi assim que eu fiz

e acabei ficando <<freguês>>

Comecei meio desconfiado

fui ficando apaixonado

e acabei ficando de vez.

Casa da Música

Por Aloisio Lisboa

No tempo que as águas

Eram fartas na lagoa

Brancas negras e mulatas

Cantavam lavando roupa

Batucavam nas latas

E sambavam como poucas

O povo de santo chegava

Vestidos sempre de branco

Seu balaio arriava

Nas águas do turvo manto

Enquanto o som dos tambores

Completavam o encanto

Pescava-se de anzol

Com tarrafa ou jéreré

Se podia andar só

Sendo homem ou mulher

Namorar com lua cheia

Nas águas do Abaeté

Havia samba e cachaça

Gente cantando roda

Dois ou três numa prosa

A areia virava praça

Menina de saia curta

Fazendo sua pirraça

Assim foi nesse tempo

Que hoje virou estória

Revivido em poucas horas

Com doçura e sentimento

Nas horas de saudades

Da lagoa em seus momentos

Mas vento soprou forte

E fez nascer uma musa

Mudando assim nossa sorte

Parindo a casa da música

Uma flor na areia branca

Que o sol bate e não murcha

Tem a sombra da gameleira

Na magia do aconchego

Conversas e brincadeiras

Vale a pena chegar cedo

E gente de boa fama

Fazendo show sem dinheiro

Tem poetas e cantores

Tocadores de viola

Palhaços e bons atores

Fazendo tudo na hora

Palhaços e bons atores

Fazendo tudo na hora

Tem Amadeu na direção

Fazendo a nova estória

O ambiente é decente

Não há outro igual

A gente fica contente

Feliz em cada sarau

E fica aqui meu recado

Pra o povo que me escuta

Seja escrito ou falado

De uma feliz aniversário

Pra nossa Casa da Música