23 de novembro de 2020

Você conhece a pegada de São Tomé?

coluna-perspectivas

Muitas lendas fazem parte da história de Salvador. São elas que criam todo o ar de misticismo que nos levam a um passeio entre o real e o imaginário. Uma dessas histórias relatei aqui mesmo na página do Itapuã City. Trata-se da lenda de Santo Antônio do Arguim, o primeiro padroeiro de Salvador.  Hoje contarei mais uma lenda, desta vez sobre as pegadas de São Tomé.

A história de suas pegadas seguiu através dos séculos e é contadas até hoje. Reza lenda que antes mesmo dos portugueses terem chegado em solo brasileiro um homem branco já havia dado as caras em terras baianas. Sua presença foi tão marcante que os índios tupinambá que viviam na região deram a ele um status de divindade. O forasteiro passou a ser chamado de Deus Sumé, o Deus Branco que caminhava sobre as águas enquanto elas se abriam, como na história de Moisés.

Em 1549, a história chegou aos ouvidos do padre Manoel da Nóbrega que logo associou a imagem do homem branco com a de São Tomé, um dos apóstolos de jesus. Naquela época, corria uma história de que o apóstolo percorreu o mundo trazendo as palavras de Deus até as áreas mais longínquas. Como prova, o santo teria deixado evidências de sua passagem como cruzes e desenhos em rochas.

Uma outra evidência da sua passagem seriam as suas pegadas espalhadas pelo litoral baiano. Uma delas foi encontrada na praia de Paripe, fato este que deu nome a localidade. Uma outra pegada foi encontrada nas praias litoral norte. Mas tem uma, justamente esta apresentada ao padre Manoel da Nóbrega, que pouca gente conhece. Ela fica bem ali entre as praias de Piatã e Jaguaribe cravada numa pedra e marcada com uma pequena cruz.

pegada são tomé03
A pegada de São Tomé

Para quem nunca viu a pegada de São tomé, basta procurar um pequeno cruzeiro localizado entre as praias de Piatã e Jaguaribe. De lá, basta seguir em direção a areia da praia e logo vai encontrar a pedra marcada. O interessante é perceber o formato da sola do pé e os dedos escupidos na rocha. Seria esta uma modelagem feita pela mãe natureza ou foi uma ação realmente divina? De qualquer forma, lá está a famosa pedra esperando ser conhecida. Bom ressaltar que nos dias 20 de dezembro são comemorados a Festa de São Tomé, tradição que faz parte do calendário de festejos do nosso bairro.

pegada são tomé02
Cruzeiro marcando a localização da pedra de São Tomé