20 centavos de ousadia

Redação 16

coluna-visao-periferica

Confesso que contei os dias durante toda a semana, para que enfim chegasse a tão esperada sexta-feira, dia tão adorado por todos e que publico a minha coluna Visão Periférica. Porém a ansiedade para tratar sobre os protestos que tem ocorrido por todo o Brasil foi tão grande que não resisti até lá, e resolvi publicar o texto hoje, excepcionalmente.

É uma sensação muito boa e de patriotismo ver multidões reunidas por todo o país em prol da mudança de conduta dos governantes da nossa nação. Pessoas de todas as idades que não toleram mais serem usadas para benefícios de uma pequena classe. Temos sim que lutar pelos nossos direitos, como é dito na própria frase que está sendo bastante utilizada neste movimento: Não é por centavos, é por direitos.

Porém não concordo com a forma em que temos lidado com o ato de protestar, sou a favor da objetividade na resolução de problemas. Afinal, acho que a rapidez na resolução desta situação nos interessa, ou não? Por isso não sou a favor de paralisação de vias públicas, como ocorrido ontem pela tarde na avenida Tancredo Neves, pela qual estava trafegando no momento do protesto. Tem que ficar claro para todos quem é o alvo da manifestação, governo ou população?

Sendo assim, em vez de causar transtornos para outros cidadãos, que tal manifestar-se na câmara, prefeitura, ou em outros lugares onde possam impactar de verdade as autoridades? Não só eu, mas enquanto vários cidadão que voltavam de um dia árduo de trabalho, que tinham que buscar suas crianças em creches e escolas, e que tinham compromissos, não puderam devido aos protestos. Parem de prejudicar a si mesmo, pois quem deveria ser atingido com esse protesto não pega congestionamento, trafega livremente de helicóptero por toda cidade.

Insisto na ideia de que é mais importante ajustar o discurso do que ficar gritando. Estamos protestando por um país mais saudável, mais inteligente, e temos que ser exemplo do que estamos propondo. Vejo centenas de aproveitadores infiltrados nas manifestações, mas que os “Maria vai com as outras” acham o máximo. Detentores de um conhecimento mais aprofundado da constituição nacional querendo se aproveitar da situação. Claro que existem os profissionais que não abrem mão da ética, e que se doam ao protesto, mas também gostaria que abrissem os olhos para os “lobos em pele de cordeiro”.

Enfim, a mensagem que gostaria de deixar é que devemos sim continuar com os protestos, mas com ideias, e não apenas ideologias. Por este motivo, gostaria de deixar a minha contribuição: Vamos ter um pouco mais de atitude! E quando falo atitude, não quero dizer rebeldia, mas objetividade para alcançar o nosso ideal. Que tal mais vinte centavos de ousadia? Querem ver como podemos fazer a diferença? Somente no evento MANIFESTAÇÃO – Passe Livre – Salvador, criado através do facebook, existem mais de 35 mil pessoas confirmando que participarão do próximo protesto. Se cada uma dessas 35 mil pessoas colaborassem com apenas 20 centavos, seriam arrecadados R$ 7.000,00 reais, valor médio para veiculação de um comercial de 15 segundos na Rede Globo em horário nobre.

Não foi essa a emissora que mudou o seu discurso e resolveu “apoiar” a onda de manifestações? Que tal usar a cabeça agora? Será que eles censurariam uma possível inserção do movimento em seu horário nobre? É disso que estou falando. É isso que eu peço… 20 centavos de ousadia. E se sobrarem mais alguns centavos, peço também que além de passeatas a gente faça mais! Parar de fazer fila dupla, furar fila, colar na escola e na faculdade, e tentar subornar alguém. Seremos finalmente livres. Democráticos.

20-centavos
Av. Tancredo Neves durante o protesto
Foto: Lorena Orsi

Next Post

Funcionários voltam a protestar em frente a hotel de Itapuã que receberá seleção

Pouco mais de 50 pessoas protestam na porta do Catussaba Hotéis e Resorts, em Itapuã, Salvador, na manhã desta terça-feira (18). Os manifestantes são trabalhadores de hotéis que vão receber as seleções que se enfrentam na Copa das Confederações, na capital baiana. Com faixas e amplificadores, os trabalhadores reivindicam 10% […]