39° Festival de Música Negra Malê Debalê escolhe música do bloco para o Carnaval, domingo (14)

Redação
Sob o tema Nzingas, Jokanas e Francisca – Um Poder Feminista, o Bloco Afro Malê Debalê realiza a final do seu 39 º Festival de Música Negra, no domingo (14), a partir das 18h, para escolher as suas canções que vão à avenida no Carnaval. O concurso tem as participações da banda Adão Negro e da cantora Nara Couto; na oportunidade, as 15 músicas finalistas serão interpretadas e postas à votação nas categorias tema e poesia. A sede do bloco -rua Alto do Abaeté, Itapuã- é o palco do evento, com ingresso a R$ 10 (valor único).
Em mais uma homenagem à mulher, o bloco afro de Itapuã vai ao Carnaval com as representações de destaques femininos na formação do povo brasileiro: a Rainha do Ndongo, atual Angola, Nzinga Mbandi (1582-1663), uma referência na luta da Mulher Negra contra o autoritarismo imposto pelos colonizadores europeus e, enquanto reinou, livrou o seu povo do domínio português; as Jokonas -nome atribuído pelos Pataxós para designar o gênero feminino- protagonistas nas táticas de autogestão e das mobilizações indígenas de diversas etnias para discutir os problemas e desafios das suas comunidades, a fim de socializar e construir políticas públicas às mulheres indígenas e, por fim, Francisca ou D. Francisquinha que simboliza as mulheres de Itapuã e as brasileiras, e a sua saga de resistência ao autoritarismo, o machismo e outras formas de opressão, garantindo um legado às gerações.
SERVIÇO:
O QUÊ: 39º Festival de Música Negra Malê Debalê
QUEM: Banda Malê Debalê, Adão Negro, Nara Couto e os finalistas do concurso
QUANDO: 14 de janeiro (domingo), 18h
ONDE: Sede do Bloco Afro Malê Debalê, Parque Metropolitano do Abaeté-Itapuã, S/N
QUANTO: R$ 10 (valor único)
Next Post

Após 30 anos, tartarugas marinhas voltam a desovar na praia de Itapuã

Após 30 anos, tartarugas marinhas voltaram a desovar em praias urbanas de Salvador, como em Itapuã, onde 250 ninhos das espécies cabeçuda, oliva, pente e verde estão dispostos em cercados. Antes, todas as desovas eram retiradas pelo projeto Tamar e levadas para a praia de Busca Vida, em Lauro de […]