4 de agosto de 2020

Busto de Mãe Gilda volta a ser alvo de vandalismo em Itapuã

O busto que presta homenagem à ialorixá Gildásia dos Santos, conhecida como ‘Mãe Gilda’, voltou a ser alvo de intolerância religosa na tarde desta quarta-feira, 15, no bairro de Itapuã, em Salvador. Em vídeo publicado nas redes sociais, mãe Jaciara Ribeiro dos Santos, sucessora e filha biológica de Mãe Gilda, se mostrou indignada com a situação. “Eu estou aqui no busto de mãe Gilda. Eu recebi uma ligação dizendo que um homem veio aqui, depredou e quebrou tudo. Ele foi algemado, a polícia está aqui. Ele disse que foi a mando de Deus. Que Deus é esse?”, questionou.

De acordo com a advogada do Ilê Abassá de Ogum, Gabriela Ramos, ao chegar na delegacia o homem preso em flagrante e enquadrado no crime contra patrimônio público. Vale lembrar que o Busto de Mãe Gilda foi atacado pela primeira vez em 2016, logo após ser restaurado.

“Neste momento de pandemia, a gente não pode silenciar. Num momento onde o país passa por tanta dificuldade, mais uma vez o busto de Mãe Gilda é depredado. Então eu estou aqui convocando o povo de candomblé, que a gente precisa ter este exemplo, eu não quero ser a garota propaganda da intolerância, mas são 21 anos da morte de Mãe Gilda e ainda assim esse ódio religioso não acaba!”, ressaltou Mãe Jaciara.

No Brasil, os casos de intolerância religiosa podem ser registrados pelo Disque 100, vinculado à Comissão de Direitos Humanos. O serviço foi criado em 2011, funciona 24 horas por dia.

Mãe Gilda

A ialorixá Gildásia dos Santos tornou-se símbolo de resistência pela afirmação das religiões de matriz africana. Após ter a imagem maculada e o terreiro invadido e depredado por representantes de outra religião, a sacerdotisa teve problemas de saúde agravados e morreu em 21 de janeiro de 2000.

Fonte: A Tarde