Caçadores de Pipa

Saulo Miguez

coluna-pense-nisso

No ano de 2003 o Mundo Literário foi marcado pelo romance “O Caçador de Pipas”, um livro que rapidamente tornou-se um best seller e conquistou leitores por todo o mundo. Escrito pelo afegão radicado nos Estados Unidos Khaled Hosseini, a obra narra a trajetória de dois garotos que vivem em um Afeganistão envolto em conflitos armados e um regime extremista. E tem como pano de fundo da estória uma competição de saltar e cortar pipas, que mobiliza uma legião de garotos em Cabul, capital do País, e faz pessoas de diferentes idades erguerem seus olhares aos céus a fim de acompanharem os rasantes das coloridas pipas.

Eis que a milhares de quilômetros de distância de Cabul, em uma cidade com costumes culturais bastante diferentes dos afegãos, acontece algo bastante semelhante ao descrito por Hosseini. Chegado o verão à cidade de Salvador surgem como um bando de aves migratórias as pipas coloridas planando no céu azul, e tal qual é descrito nas páginas de “O Caçador de Pipas” há uma verdadeira batalha nos céus onde só os mais habilidosos no manuseio da linha resistem.

Nos dias de maior movimento a todo o momento surgem grandes duelos. Caçadas emocionantes que têm como objetivo final cortar a linha do adversário e deixá-lo literalmente ao sabor do vento, voando carregado pelas correntes de ar com local de pouso incerto. E é aí que começa a parte mais emocionante da brincadeira.

Assim como os caçadores que exibem orgulhosos o resultado das suas aventuras, os caçadores de pipa também fazem questão de exibir as presas abatidas, nem que para isso seja necessário se arriscar entre os carros e percorrer longas distâncias – muitas vezes descalços – sob um sol de quase quarenta graus e sobre um asfalto de mais de quarenta graus para capturá-las. Todo esforço é recompensado pelo prazer de ter nas mãos o prêmio, ainda que isso seja simplesmente um pedaço de papel fixado por taliscas de coqueiro.

Não importa. Naquele momento esse objeto de pouco valor comercial ganha uma dimensão incomensurável e o seu preço torna-se inestimável, assim como tudo o que realmente tem valor nessa vida.

Next Post

Agentes da Sucom e da Guarda Municipal são agredidos com latas de cerveja durante operação

Um agente da Superintendência de Controle e Ordenamento do Uso do Solo do Município (Sucom) e um preposto da Guarda Municipal foram agredidos por populares em Piatã, enquanto atuavam em uma operação para combater a poluição sonora em bairros de Salvador. Os populares atiraram latas de cerveja contra os agentes, […]