Coração de Jangadeiro

RTEmagicC_Arrocha_Lingua_de_Prata_Portal_de_Itapua_txdam29491_1d517e.jpgcoluna-perspectivas

Chegou a hora dos prazeres românticos das noites em Itapuã. Momento este em que homens e mulheres, apaixonados como nunca, investem na sensualidade para encarar a longa jornada dançante no inusitado baile do Jangada. O restaurante, assim como o seu vizinho, o Língua de Prata, fica bem no coração do bairro, de fronte a praça Dorival Caymmi e de fundo para as poesias do mar. É lá que gente de toda a cidade descobre o tão escasso romantismo de outros tempos, além de encarar aventuras e desventuras amorosas.

O Jangada é frequentado por pessoas de todos os tipos e cores. Não importa se você é funcionário público, frentista, pedreiro, empresário, aposentado… O que importa é você estar entregue ao clima de música, dança e azaração proporcionada pelos expoentes da música romântica como os Brazilian Boys, os Clones, Nara Costa, Silvano Sales dentre outros que tocam os corações apaixonados.

Para ter sucesso no coração dos jangadeiros de plantão, o importante sensualizar. Mesmo que passe um pouquinho dos limites! As mulheres, solteiras, casadas, divorciadas, senhoras ou viúvas capricham nas roupas mostrando as pernas e os avantajados decotes. Os homens esbanjam nos perfumes, nas roupas e nos relógios, colares e aneis. O olhar penetrante, a boa conversa e uma boa arrochada são as armas da sedução. E assim o amor e a alegria tomam conta do baile dançante.

No Jangada, o que não faltam são histórias de dores e carências, amores e paixões, traições e intrigas… Cada um dos frequentadores tem uma vida pra contar e muita coisa pra viver.

Quero deixar claro que Tanto o Jangada quanto o Língua de prata marcam presença na identidade do nosso querido bairro. Bom ressaltar que ambos os espaços são queridos por homens e mulheres de idade que brincam e se divertem nas tardes e noites de Itapuã.

Um bom arrocha para todos!

Next Post

Moradora da “Água Suja” reivindica faixa de pedestres e segurança

Todos os dias, moradores da Rua Álvaro Baqueiro, região conhecida como “Água Suja” em Itapuã, passam por um “teste de fogo”, na tentativa de atravessar o trecho da Avenida Dorival Caymmi, que fica próximo a entrada da rua. Segundo a funcionária pública, Ana Kelly Farias (30), as pessoas arriscam a […]