4 de agosto de 2020

Lixo… de novo?!

coluna-pense-nissoPor mais repetitivo que possa parecer, nunca é demais falar do lixo em nossas praias. Há anos convivemos essa triste realidade que parece não mudar, apesar das inúmeras campanhas de conscientização, uma vez que nossas areias continuam encobertas por plásticos, latas de cerveja e outros resíduos que mancham o nosso belo cenário litorâneo.

Além do aspecto visual, a poluição traz também uma série de riscos biológicos. Graças ao movimento das marés, o lixo deixado na praia é carreado para o mar causando a morte de espécies marinhas – sobretudo tartarugas que ingerem resíduos plásticos – e com isso trazendo desequilíbrio ecológico.

A saúde humana também é diretamente afetada pela presença desses resíduos; aí destacamos a questão do lixo orgânico, que é responsável por atrair vetores causadores de doença para perto dos banhistas, pombos e ratos são apenas dois exemplos. Esses animais podem transmitir ao ser humano enfermidades como a leptospirose, a salmonelose, além de provocar alergias e doenças de pele.

Com o objetivo de reduzir esse tipo de agressão ao ambiente, a prefeitura de Salvador tomou uma medida por muitos considerada extrema, mas que deve surtir efeito e reduzir o descarte inadequado de lixo na nossa cidade. Agentes municipais percorrerão os bairros vistoriando e aplicando multas que podem chegar a R$ 2.000 para as pessoas que jogarem lixo nas ruas. Talvez assim, doendo no bolso, tenhamos um pouco mais de consciência e aprenderemos que o lugar do lixo é no lixo.