Mulher procura pelo marido desaparecido há oito dias em Itapuã

650x375_cleidemara-rodrigues-da-cruz-rodrigo-bezerra-da-silva_1411452Há oito dias, a família do vendedor de frutas Rodrigo Bezerra da Silva, 23 anos, está desesperada à sua procura. Ele saiu de casa, na rua Mandacaru, no bairro de Itapuã, na localidade conhecida como Água Suja/Baixa da Soronha, na noite da quarta-feira, 30. Desde então, nunca mais foi visto.

Conforme a mulher dele, a  faxineira Cleidenara Rodrigues da Cruz, 33, vizinhos informaram que Rodrigo foi visto pela última vez, às 19h30, andando pela rua em companhia de um homem desconhecido.

“Eu não estava em casa, fui a um aniversário com meus filhos em Lauro de Freitas.  Disseram que ele estava na porta de casa quando um homem moreno e alto chegou chamando por ele e saíram juntos”, revela a moça.

Ainda de acordo com  ela,  no dia seguinte, tentou registrar ocorrência na Delegacia de Itapuã e no Departamento de  Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).

Contudo, não conseguiu e foi orientada a retornar na segunda-feira, 5, quatro dias após o desaparecimento de Rodrigo Bezerra.

Segundo Cleidenara, ela e a sogra, Maria do Socorro Bezerra, 52, já percorreram vários hospitais e o Instituto Médico-Legal (IML) Nina Rodrigues, por três vezes.

Anteontem, ela foi ao IML, após ouvir boato na rua de que o corpo do jovem havia sido encontrado esquartejado na Estrada do CIA. “As pessoas aqui [na rua] não têm nenhuma palavra de conforto para dar. Aí, ficam inventando coisas”, lamenta a senhora, muito abalada.

Mãe desolada

Cleidenara convive com Rodrigo há sete anos e tem dois filhos com ele, um menino de  2 anos e uma menina de 1 ano e oito meses. “Andei Salvador toda e não acho meu filho. Não sei mais onde procurar”, desabafa, desolada, a mãe do jovem.

Fonte: Portal A Tarde

Next Post

Em duas décadas de existência, Lagoa do Abaeté nunca passou por reforma

“Enquanto relaxa, o visitante agradece o mergulho refrescante e curte o tempero da Bahia”. Esta é a apresentação que está na página da Secretaria de Turismo sobre o Parque do Abaeté, em Itapuã. A descrição poética, no entanto, está longe da realidade de quiosques abandonados, banheiros depredados, sujeira, animais soltos, […]