Prefeitura se posiciona após matéria que sinaliza acúmulo de reclamações contra Mercado de Itapuã

Na semana passada divulgamos aqui o acúmulo de reclamações a respeito do Mercado de Itapuã, conforme matéria do Metropress. No texto eram mencionadas as diversas contestações recebidas sobre o local, enquanto a secretária de Ordem Pública, Rosema Maluf, concedia entrevista à rádio do veículo.

Em resposta ao material, a agência de comunicação da prefeitura de Salvador se posicionou com extenso texto afirmando que o Mercado de Itapuã melhorou as condições de trabalho de comerciantes. Confira material na íntegra:

O Mercado Municipal de Itapuã representa um marco na melhoria das condições de trabalho de permissionários, e isso se reflete também no bem estar de clientes e visitantes. Esse é apenas um dos equipamentos que integram o plano de ordenamento do comércio informal em toda a cidade, que conta também com mercados em Periperi, Cajazeiras e Liberdade – já em funcionamento –, Dois de Julho e das Flores – em fase final de obras.

Isso sem conta com o Mercado Popular, em Água Brusca, que passa por reforma, com previsão de entrega em 30 dias, com a realização de revisões elétrica, hidráulica e sanitária, adequação do sistema de drenagem, reforma do telhado, pintura, troca de cerâmica, entre outras medidas, e das futuras unidades de São Cristóvão e São Miguel – o primeiro com projeto já pronto e o segundo ainda em processo.

Vendedora há 25 anos, a permissionária Marlene Bezerra, lembra das antigas instalações do mercado de Itapuã. “Antes era um terror! Logo no início, quando eu entrei, faziam um conserto aqui e outro ali, e chegou o momento da gente ir embora. Ninguém conseguia ficar porque estávamos correndo risco de vida. Depois fiquei trabalhando de favor ao lado do meu sobrinho durante dois anos. Agora as instalações estão ótimas, ela tem tudo para a pessoa crescer e melhorar. Virou um cartão postal, não resta dúvida”, explica.

Um dos grandes entusiastas é o permissionário Luciano Jorge, conhecido como “Mamão do Peixe”. Segundo ele, antes da requalificação, as condições de trabalho eram péssimas, e isso dificultava as vendas. “Antes de ter o mercado era um sofrimento. A gente trabalhava na chuva, na lama, chovia e, daqui a pouco, tinha que levantar, desarmar o sombreiro e guardar a mercadoria. Era uma correria danada. Hoje em dia, graças a Deus, o negócio está muito bom. Melhorou 100% porque lá fora a gente vendia, mas aqui a gente está vendendo mais ainda”, parabeniza Luciano.

Quem também deixou para trás o comércio de rua foi o permissionário Maurício dos Santos. Ele, assim como os demais vendedores, ficava à mercê das condições do tempo, o que causava grande prejuízo às suas vendas. “Antes a gente vendia, mas não como estamos vendendo hoje. Antes, a gente trabalhava debaixo de sol e chuva, na sujeira e na clandestinidade. Agora não. Agora está tudo organizado e limpo”, conta.

Para os clientes, a situação também melhorou. E muito. Moradores também foram beneficiados com a reforma do Mercado de Itapuã. Esse é o caso de Sérgio José, que mora há 52 anos no bairro e é consumidor assíduo do mercado. “Antes era complicado. Isso aqui era uma imundície, a gente comprava em outro lugar para evitar vir aqui. Quando chovia, era muita lama e rato. Agora não, mudou tudo. A higiene aqui agora é diferente”, diz o morador.

Morador do bairro de Itapuã há 38 anos, o farmacêutico, Gleidson Spinola é um dos frequentadores que aprovam a nova estrutura. “Nos últimos anos, antes dessa reforma, o mercado estava bem ruim e eu estava evitando utilizá-lo. Estava muito sujo, o atendimento não era legal, você via muitos insetos, muita sujeira mesmo. Depois da reforma, melhorou bastante, inclusive em termos de limpeza. É perceptível como está bem mais limpo. Ficou legal também os sanitários, porque antigamente havia uns banheiros muito ruins aqui”, afirma.

Cajazeiras – Para aquecer as vendas no Mercado de Cajazeiras, a Secretaria Municipal de Ordem Pública (Semop) está desenhando uma ação envolvendo diversos atores da Prefeitura. Entre as medidas está a instalação de uma central de atendimento da Secretaria Municipal da Saúde (SMS) para marcação de consultas e exames – hoje esse procedimento é feito em postos da região. Essa central contará com 15 pontos de atendimento, funcionando de segunda a sexta-feira, em horário comercial. As obras para adequação do espaço que receberá a futura central estão sob a responsabilidade da Secretaria Municipal de Manutenção (Seman).

E para promover a qualificação profissional dos permissionários que ainda atuam no mercado, a Secretaria de Desenvolvimento, Trabalho e Emprego (Sedes) começou a elaborar um plano de atuação, em parceria com o Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Seção Bahia (Sebrae-BA). A secretaria, que coordenará os trabalhos, já deu o primeiro passo nesse sentido, conhecendo permissionários e identificando as principais demandas para a profissionalização dos comerciantes, e a estimativa é que o plano comece a ser executado já no início de setembro.

No caso dos permissionários que receberam boxes e mantêm barracas nas ruas, a Semop fará a transferência dessas unidades a outros comerciantes cadastrados. Alguns preferiram manter a atividade na Rua Jornalista Marcos Vita, atrás da Rótula da Feirinha. Lembrando que o processo de seleção foi feito através de uma comissão composta pelos próprios comerciantes, que escolheram e validaram uma lista com 150 permissionários, obedecendo aos critérios de legalidade – aqueles com licença expedida pelo órgão – e antiguidade.

Segue, abaixo, identificação dos permissionários e moradores de Itapuã citados na matéria

Foto Nº 4- Marlene Bezerra da Silva Araujo (Comerciante de Carne)

Foto Nº 8- Luciano Jorge (Comerciante de Peixe)

Foto Nº 9- Mauricio dos Santos Natividade (Comerciante de Peixe)

Foto Nº 10- Srº Sergio Jose dos Santos Ferreira (Morador)

Foto Nº 11- Srº Gleidson Spinola (Morador)

Next Post

Projeto "Vamos a praia" quebra a rotina da rua K, em Itapuã

A Polícia Militar da Bahia, através do Esquadrão de Polícia Montada, a Cavalaria como é conhecida, apoia diretamente cedendo seus cavalos para o uso da ABAE (Associação Bahiana de Equoterapia), que tem como missão “atender os portadores de necessidades especiais contribuindo para o estabelecimento de sua dignidade e exercício pleno […]