Aproveitando Itapuã

coluna-olhar-nativo

“Passar uma tarde em Itapuã/ Ao sol que arde em Itapuã/ Ouvindo o mar de Itapuã/ Falar de amor em Itapuã.” É praticamente impossível pensar em Itapuã e não lembrar essa famosa composição do amante de Itapuã, Vinícius de Moraes.  Ao estarem em Itapuã, todos deveriam sentir-se agraciados pela beleza natural e até a beleza antrópica estampada na madeira, no concreto. Fora a retirada de espaço para o trabalho digno dos barraqueiros, é muito bom ter nossa praia limpa, linda, livre. Quem nunca deitou ou sentou em uma daquelas esteiras de palha ou até mesmo na “esteira de vime” e admirou o vai-e-vem das ondas do mar ou simplesmente amou descobrir os desenhos que as nuvens formam? Quem nunca foi com a família, todos de bem com a vida, para a praia com sacolas cheia de comida e bebida? Inexplicável também poder ver e estourar as bolinhas de sabão, pedir picolé, comer queijinho assado na hora, experimentar o amendoim torrado e não comprar ou comprar para toda galera. E quão bom era ter muito mais espaço para caminhar e praticar o futevôlei, o frescobol, o “babinha” sem ter de disputar espaço com as barracas? Pois é, era assim que eram as nossas praias e assim que voltaram a ficar. Aproveite! Não sabemos quando voltará a velha nova situação.  Num dia qualquer, quando tiver tempo para amar mais a natureza, sente-se na beira do mar e mergulhe no som das ondas, depois se refresque na gostosa água, jogue-a pra cima e não ligue se acharem que é loucura. A maior loucura é deixar de amar o que se tem ou o que pode fazer. Viva. Ame. Cuide de Itapuã!
Praia de Itapuã

“Passar uma tarde em Itapuã/ Ao sol que arde em Itapuã/ Ouvindo o mar de Itapuã/ Falar de amor em Itapuã.” É praticamente impossível pensar em Itapuã e não lembrar essa famosa composição do amante de Itapuã, Vinícius de Moraes.  Ao estarem em Itapuã, todos deveriam sentir-se agraciados pela beleza natural e até a beleza antrópica estampada na madeira, no concreto.

Fora a retirada de espaço para o trabalho digno dos barraqueiros, é muito bom ter nossa praia limpa, linda, livre. Quem nunca deitou ou sentou em uma daquelas esteiras de palha ou até mesmo na “esteira de vime” e admirou o vai-e-vem das ondas do mar ou simplesmente amou descobrir os desenhos que as nuvens formam? Quem nunca foi com a família, todos de bem com a vida, para a praia com sacolas cheia de comida e bebida? Inexplicável também poder ver e estourar as bolinhas de sabão, pedir picolé, comer queijinho assado na hora, experimentar o amendoim torrado e não comprar ou comprar para toda galera.

E quão bom era ter muito mais espaço para caminhar e praticar o futevôlei, o frescobol, o “babinha” sem ter de disputar espaço com as barracas? Pois é, era assim que eram as nossas praias e assim que voltaram a ficar. Aproveite! Não sabemos quando voltará a velha nova situação.

Num dia qualquer, quando tiver tempo para amar mais a natureza, sente-se na beira do mar e mergulhe no som das ondas, depois se refresque na gostosa água, jogue-a pra cima e não ligue se acharem que é loucura. A maior loucura é deixar de amar o que se tem ou o que pode fazer.

Viva. Ame. Cuide de Itapuã!

Next Post

Vem aí o Casa da Música Festival Itapuã

A Casa da Música é um espaço cultural que sempre nos acolhe de braços abertos. Parte dela agora um convite a todos os membros do Balcão do Músico que buscam espaços para expor seus talentos e para divulgar seus produtos e serviços. Nos dias 26, 27 e 28 de junho ocorrerá […]