Coluna Perspectivas – O que esperar da copa das confederações?

Bruno Cardoso

copa

 

coluna-perspectivas

É, meu amigo… Já estamos nas vésperas da Copa das Confederações. Este vai ser um momento em que todo o Brasil vai parar não somente para prestigiar este grande evento, mas também para analisar minuciosamente todos os acontecimentos dentro e fora dos estádios. Dentro de campo, nos colossais estádios espalhados pelo Brasil, vamos fazer o que fazemos de melhor, que é vibrar e torcer pelo país do futebol. Mas, fora do campo e das suas jogadas, não vai ter este cidadão que curtirá a copa sem aquela sensação de “pulga atrás da orelha”.

Digo isso porque por trás deste evento de grande porte, como diz o nosso ex-presidente Lula, “nunca na história deste país” nos deparamos com uma desigualdade social tão escancarada. Vale lembrar que desde o anúncio proclamado pelo então presidente, as dúvidas que permeavam as incertezas de um futuro desconhecido eram: será que o Brasil tem capacidade de suportar eventos desse porte? Como um Brasil, tão desigual, irá investir toneladas de dinheiro mesmo sabendo das suas necessidades básicas na saúde, na educação, no transporte e na segurança pública?

O que esperar da Copa das Confederações? Qual será o retorno disso? São estas e outras dúvidas que nos levam a reflexão diante de um país caro, corrupto e extremamente desigual.  Professores mal remunerados, ruas esburacadas e engarrafadas, população carcerária crescente, falta de hospitais, médicos, creches, escolas… emfim! Estamos vivendo um caos acentuado e contraditório aos grandes acontecimentos desta segunda década.

Eu nunca duvidei que o Brasil tivesse capacidade de entrar nos circuitos dos grandes eventos. Vivemos num país extremamente rico e bastante eficiente, desde que seja economicamente viável aos olhos dos grandes empresários. Se considerarmos que a política brasileira está subordinada à lógica do capital, temos no mundo dos investimentos um prato cheio para as grandes elites empresariais. Quanto aos demais problemas sociais, o governo dá um jeito! Para eles, o importante é fazer do Brasil uma imensa Vitrine e, para isso, é só esconder a sujeira no porão.

Mesmo com tantos problemas, desejo a todos uma ótima copa das confederações. Vamos observar atentamente para quem são destinados esses jogos no país do futebol. Vivemos num país em que todos merecem o devido respeito, e tenho certeza que, seja na arquibancada ou nas telas da TV, vamos vibrar e torcer pela nossa seleção e, porque não, por Brasil menos desigual.

 

Next Post

Aproveitando Itapuã

“Passar uma tarde em Itapuã/ Ao sol que arde em Itapuã/ Ouvindo o mar de Itapuã/ Falar de amor em Itapuã.” É praticamente impossível pensar em Itapuã e não lembrar essa famosa composição do amante de Itapuã, Vinícius de Moraes.  Ao estarem em Itapuã, todos deveriam sentir-se agraciados pela beleza […]