O Fórum Permanente de Itapuã, coletivo formado com a proposta de dar continuidade às ações desenvolvidas durante o Fórum Social Mundial 2018, promoveu uma grande mobilização na comunidade no dia 9 de junho para debater a atual situação do Parque Metropolitano do Abaeté. A ação aconteceu durante a Semana do Meio Ambiente, no Centro de Atividades do Parque do Abaeté e gerou uma carta emitida pelos participantes do ato em defesa do local. Confira na íntegra:

CARTA DO ABAETÉ

O Fórum Permanente de Itapuã (FPI) coletivo social que se formou a partir das ações realizadas durante o Fórum Social Mundial (FSM) em março de 2018 no Território Itapuã, realizou na manhã do dia 09 de junho de 2018, no Centro de Atividades do Parque do Abaeté, o Ato em Defesa do Parque Metropolitano do Abaeté, com ampla cobertura da imprensa, que contou com a presença de antigas lavadeiras locais, pescadores, jornalistas, ambientalistas, biólogos, geógrafos, músicos, arquitetos, urbanistas, engenheiros ambientais, professores do ensino fundamental e superior, moradores do bairro de Itapuã e adjacências, representantes de organizações comunitárias, associações, instituições e órgãos públicos, dos quais: Associação dos Moradores de Itapuã (AMI); Conselho de Entidades de Itapuã (CEI); Conselho Gestor da APA (Área de Proteção Ambiental), Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (INEMA); Secretaria do Trabalho, Emprego, Renda e Esporte do Governo da Bahia (SETRE); UFBA; UNEB; Afoxé Korin Nagô; Sociedade Cultural, Recreativa e Carnavalesca Malê Debalê; As Ganhadeiras de Itapuã; Terreiro Asé Abassá de Ogum; Terreiro Yle Asé Yba Foromin; Itapuã Dominó Clube; Projeto Pedra que Ronca; Itapuã City; Gambá (Grupo Ambientalista da Bahia); Movimento Jaguaribe Vivo; Projeto Sariguê; Projeto Iara; Organização Mente Fértil (OMEFE); Associação de Engenharia Social, Terreiro Talá de Odé; IBAGEP; Grupo Raízes Dessa Terra; Solidária Maloca entre outras entidades.

Esse Ato teve a finalidade de discutir propostas para a defesa e preservação do Parque Metropolitano do Abaeté, histórico santuário ambiental de Itapuã e da cidade de Salvador, que há décadas tem sofrido a degradação e até mesmo ameaça de desaparecimento de suas lagoas, dunas, flora e fauna. Diante do exposto a presente CARTA apresenta a seguinte proposta para ser encaminhada ao INEMA e aos demais órgãos gestores do Parque do Abaeté e sociedade civil em geral, como base para a elaboração de um Plano de Ação Compartilhado com vistas à recuperação e conservação dessa importante área de preservação ambiental da cidade de Salvador:

Criação imediata e urgente de uma Câmara Técnica composta por órgãos do governo da área de interesse e por representações da Sociedade Civil, com o acompanhamento do Ministério Público Estadual, com as seguintes ações prioritárias:

1. Revisão, socialização e fortalecimento do Plano de Manejo do Parque do Abaeté;

2. Estabelecimento de uma agenda socioambiental com ações emergenciais a serem realizadas na área do Parque e Unidade de Conservação da APA a partir das prioridades identificadas pela Câmara Técnica.

3. Nenhuma intervenção na área da Unidade de Conservação da APA – Parque do Abaeté ocorrerá sem antes passar pela aprovação da Câmara Técnica.

Assim conclamamos a sociedade baiana a se juntar a nós nessa luta em defesa desse tesouro ecológico em pleno espaço urbano da cidade de Salvador que é o Parque Metropolitano do Abaeté, antes que seja tarde demais. A mobilização da sociedade civil é fundamental para garantir as políticas públicas necessárias à preservação de nossos direitos e nosso patrimônio !

Salvador, 14 de junho de 2018

COLETIVO FORUM PERMANENTE DE ITAPUÃ – FPI