Reinauguração da Praça do Coreto não corresponde às expectativas da comunidade

Foram quase oito meses de obras, demolições, desgastes entre poder público e comunidade e, ainda assim, o resultado apresentado na reinauguração da Praça do Coreto, em Itapuã, não correspondeu às expectativas dos moradores da região.

É o que afirma o representante da comissão de moradores criada para debater sobre a reforma, Antonio Carlos. “O projeto não nasceu de um diálogo com a comunidade. Ele foi imposto. Sem contar com a paralisação das obras, devido à locação de trabalhadores não especializados e sem condições dignas e humanas de execução das atividades.”, pontua ele que, entretanto, elogia a qualidade da iluminação da nova praça.

 WhatsApp-Image-20160707 (1) WhatsApp-Image-20160707 (2) WhatsApp-Image-20160707 (3) WhatsApp-Image-20160707 (4)

Ainda de acordo com o residente, além dos transtornos por conta das obras, o meio ambiente também foi prejudicado pela forma de execução do projeto. “Várias árvores foram derrubadas, pois não houve cuidado prévio, conforme nossa sugestão de replantio. Com isso, acabaram-se as sombras, micoses e os pássaros sumiram.”, lamenta. 

WhatsApp-Image-20160707Uma outra grande polêmica envolveu o espaço cultural Rumo do Vento, pertencente ao local há mais de 30 anos. Inicialmente foi cogitada a extinção do ponto, o que prontamente foi questionado pela população e posteriormente acatado pela Secretaria de Manutenção da Cidade (SEMAN). 

Após a demolição do espaço, mediante garantia de sua reconstrução, foi determinado que o local seria destinado à comercialização de alimentação e bebidas e apresentações culturais, como shows, espetáculos e peças teatrais. 

Entramos em contato com a secretaria para confirmação do prazo de entrega, mas ainda não fomos respondidos.

Next Post

Vínculo Empregatício - Direito do Trabalho

DIREITO DO TRABALHO VÍNCULO EMPREGATÍCIO   Uma dúvida frequente das pessoas é acerca do vínculo empregatício, muitas se perguntam se sua relação de trabalho é de fato empregatícia, ou seja, se está protegida pelas leis trabalhistas. Segundo o caput do artigo 3º da Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT), “Considera-se empregado […]